Turmas prontas. Caracterizadas e organizadas. Países “criados” para participar no jogo. Respetivas identidades construídas. Ecoam tambores: era sinal de partida. Os alunos tinham, então, 90 minutos para completar oito desafios. Nos Ministérios da Cultura, da Administração Interna, do Ambiente, da Economia, da Educação, do Desporto, do Património e da Saúde, os representantes de cada país foram desafiados a participar em diversas tarefas, sobre as quais lhe era atribuída uma pontuação. O objetivo? Conquistar direitos básicos para cada nação, através de um regime cooperativo, tendo como base valores universais como a justiça, a liberdade e a dignidade humana.

A dinâmica interturmas, inspirada no jogo de tabuleiro “The World Peace Game”, decorreu em duas sessões distintas no dia 24 de fevereiro, assinalando as comemorações do Carnaval deste ano, no Colégio José Álvaro Vidal. Para a completarem, as turmas participantes tiveram que a preparar previamente, escolhendo o país imaginário que queriam representar e definindo-lhe uma sede, uma identidade, um código de vestuário, uma organização, uma bandeira e um conjunto de crenças e ideais.

Apresentar soluções para os grandes desafios mundiais

No “The World Peace Game” da CEBI participaram as turmas do 1.º ao 8.º ano do Colégio José Álvaro Vidal. Os alunos do 9.º ano ajudaram na organização do jogo em si, planeado e dinamizado, na íntegra, por Coordenadores, Professores e Educadores da Fundação.

Depois de concluídos os oito jogos obrigatórios, onde os alunos procuraram um modelo de desenvolvimento sustentável para o país que tinha criado, um representante de cada nação dirigia-se à Sede das Nações Unidas, um espaço exclusivamente destinado à apresentação de propostas para a resolução e discussão de problemas e desafios da sociedade atual.

É urgente criar um futuro. Que pertence a todas as crianças.

Idealizado para assinalar as comemorações do Carnaval deste ano, o “The World Peace Game” pretendeu contribuir para a autonomia e cidadania ativa dos participantes. Porque é urgente criar um futuro, que pertence, primeiramente, às crianças e ensiná-las a construir esse mesmo futuro. Porque, no Colégio José Álvaro Vidal, acredita-se que é delas que surgirão as melhores soluções. Porque era Carnaval e um mundo com muita brincadeira será sempre melhor.

Num mundo globalizado, onde as conexões e diversidade devem servir como oportunidades de construção da paz, a dinâmica permitiu a expansão do conhecimento dos alunos, tendo sempre a dignidade humana, a justiça e a liberdade como valores básicos e universais. 



VOLTAR