Um coração a bater fortemente, ansioso de vida. Um balão cheio, que brilha no escuro. Uma ecografia projetada. Um processo de gestação. Um bebé que já mexe e respira. Frágil e indefeso, mas protegido. Com pressa. Com bastante pressa, para dizer a verdade.

Nove meses depois, “ou mais precisamente, 40 semanas mais tarde”, silenciosamente, aparece uma criança. A protagonista. Primeiro a Margarida, depois a Beatriz e por último a Inês. As três com apenas 8 anos, em representação, literal, de todas as crianças do Colégio José Álvaro Vidal (CJAV). Envergonhadas, procuram uma posição mais confortável em cima de um palco demasiado grande para o seu tamanho. Encontram-na: atrás de uma câmara de filmar – “prefiro falar com vocês assim, pelo menos para já”, confessaram, até porque, desta forma “podem ver mais detalhadamente todos os pormenores do meu rosto”.

Durante vários minutos, debitam “frases que foram escritas por outras pessoas”, com vocabulário que mal conseguem soletrar e com significados que lhe são desconhecidos. Só depois ganham coragem e, cedo demais, tentam encarar “olhos nos olhos” as centenas de pessoas que assistiam ao espetáculo.

Ultrapassar inseguranças e poder ser uma verdadeira criança

Com a ajuda das crianças de 4 e 5 anos do Pré-escolar e dos alunos do 1º ciclo, a Margarida, a Beatriz e a Inês foram ultrapassando algumas das suas inseguranças. Ganharam coragem, enquanto foram respondendo a muitas perguntas – “O que será? Como será? Serei mesmo capaz?”. No final, ultrapassando os seus medos, “pularam e pularam”, apoiando-se no mais poderoso dos afetos: aquele que só se encontra junto de uma verdadeira família.     

A história, representada no Pavilhão Polidesportivo da Fundação CEBI, foi escrita por Gonçalo Quirino, Professor de Teatro do CJAV. A sua adaptação foi exibida em sete sessões distintas, entre os dias 16 e 19 de dezembro, e colocou completamente a criança enquanto criadora e figura central do espetáculo.

Sessões musicais no Atelier Artístico

Também as crianças de 3 anos do Ensino Pré-escolar chamaram os familiares ao Colégio para, numa sessão muito musical, assinalarem a Época Natalícia. A atividade decorreu no Atelier Artístico, nos dias 11, 14 e 15 de dezembro, e foi conduzida por Samuel Matias, Professor de Música da CEBI.

Num ambiente acolhedor, cheio de Claves de Sol e de Notas Musicais, as crianças cantaram e dançaram um conjunto de melodias de Natal, simulando uma verdadeira aula de Música.



VOLTAR