Obrigadas a suspender todas as atividades presenciais, Escolas de todo o país reinventaram a maneira de ensinar e aprender. À distância de um clique, reunem turmas em videoconferência, esclarecem dúvidas em salas de aula virtuais e partilham conteúdos de forma exclusivamente digital. 

Mas ensinar e aprender tornaram-se tarefas dependentes de meios digitais e conteúdos online, numa altura em que Escolas e famílias não estavam completamente preparadas para assumir e viver esta nova realidade.

Do ponto de vista organizacional, também a CEBI se adaptou a uma necessidade de teletrabalho em todas os seus Departamentos e áreas operacionais, estando uma grande maioria de Colaboradores em trabalho remoto nos seus domicílios. Uma adaptação que se revelou rápida e eficaz. Por isso mesmo, foi disponibilizado a funcionários, Departamentos e utentes diverso material informático, em particular, desktops, computadores portáteis, tablets, routers de internet móvel ou telemóveis.

Concretamente, no Colégio José Álvaro Vidal, foram disponibilizados “30 tablets, quatro portáteis e um desktop” a alunos e Professores, com especial atenção à Casa de Acolhimento da CEBI onde, em poucos dias, teve de se garantir que as crianças aí acolhidas teriam as condições necessárias para acompanhar todas as aulas digitais.

Nem todos os equipamentos estavam disponíveis na Fundação, havendo necessidade de investimento para a aquisição de tablets adicionais, por se ter esgotado a capacidade que se revelou necessária. 

Enquanto a distância continuar a limitar a comunicação presencial, a CEBI permanecerá atenta às desigualdades no acesso a meios digitais e intervirá na medida das suas possibilidades.



VOLTAR