Um mundo de “cores, cheiros e zumbidos” invadiu o Ateliê Artístico do Colégio José Álvaro Vidal. “Lá Fora” deu o mote à exposição integrada no âmbito da consciencialização e descoberta ambiental, recriando um ecossistema natural inspirado na Land Art, um movimento artístico do final da década de 60, pautado pela fusão da natureza com a arte.

O convite endereçado a alunos foi simples: primeiro “abre bem os olhos e inspira”, depois “diverte-te a combinar cores, formas e tamanhos” e, por último, descobre todas as pistas “que te ajudam a observar os diferentes espaços temáticos do Ateliê Artístico”. A viagem pelo interior do Ateliê transmitiu “uma sensação de tranquilidade”. Questionou. Envolveu o visitante. Na natureza e na busca incessante de experiências marcantes.

No final, deixou-se “Lá Fora” com a certeza de que “mesmo que a nossa casa fique no meio da maior cidade do mundo, há sempre natureza” por perto. Há sempre “céu, nuvens e chuva, flores, árvores e muitos animais”. Há “bichos, bichinhos e bicharocos muito fáceis de avistar, com os quais nos cruzamos muitas vezes, enquanto trepam um muro, passeiam por um canteiro ou esvoaçam por aí”. 

Uma experiência artística que interroga, consciencializa e aproxima da natureza

A exposição, que esteve patente no Ateliê Artístico durante o mês de abril, foi criada no seguimento da requalificação dos espaços verdes que está a ser realizada, este ano, na Fundação CEBI. Envolveu alunos de diferentes faixas etárias – do Pré-escolar ao 6.º ano, todas as turmas passaram pelo espaço para “espreitarem a natureza” e criarem as suas “obras”, numa manifestação artística jamais esquecida. Uns recorrendo a flores. Outros a plantas. Outros até a animais. Analisando um formigueiro, investigando a casa da “família de grilos” ou acompanhando os caracóis, os estudantes participaram numa experiência artística que os interrogou e aproximou do mundo natural.

“Lá Fora” foi também uma “exposição em movimento”. Que nunca esteve acabada. “Fui-lhe sempre acrescentando coisas novas”, confessou a Educadora Carla Valente, responsável pela dinamização diária do Ateliê Artístico e organizadora da mostra. Até porque, no final de cada visita, os participantes tiveram oportunidade de expor, num cantinho apropriado para o efeito, as suas perguntas, que foram depois respondidas por outros grupos, num formato que pretendeu envolver os estudantes em relacionamentos interturmas – “o que está dentro de uma árvore?” foi uma das questões apresentadas. “O papel”, ouviu-se como resposta. E “porque é que os caracóis têm a casa às costas?”, questionou-se. A solução: “porque à noite vão lá dormir”.  



VOLTAR