Sete alunos da Fundação CEBI foram distinguidos pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira com os Prémios de Mérito e Excelência de âmbito Escolar. A homenagem, que decorreu numa cerimónia pública presidida por Alberto Mesquita, juntou os 55 melhores alunos do 2º e 3º ciclos, das diversas Escolas do Concelho, na Biblioteca Municipal “Fábrica das Palavras”. Aos “bons exemplos” distinguidos, “que se constituem como referências para os demais alunos”, o Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira não quis deixar de reconhecer “o comportamento exemplar, a aplicação nos estudos, a elevada atitude cívica e a contribuição Comunitária”.

Do 2º ciclo do Colégio José Álvaro Vidal, figuraram no Quadro de Mérito da Autarquia a Clara Batista, a Ana Margarida Santos e a Catarina Gonçalves, enquanto que o Marco Galão, o Ricardo Mata e a Matilde Camacho representaram o 3º ciclo. No que diz respeito ao Quadro de Excelência da Câmara Municipal de Vila Franca, a Fundação foi representada pelo Bruno Pinto, aluno do 6.º ano (Ano Letivo 2014/2015), que foi distinguido pelo seu envolvimento num Projeto de Voluntariado de Tutoria de Pares, onde ativamente procurou ajudar e ser uma mais-valia para um colega com Necessidades Educativas Especiais.

Valorização curricular, solidária e cívica

Reconhecer o Mérito e a Excelência dos alunos, não só ao nível Académico mas também no âmbito dos Valores e da Cidadania é, para Sandra Moreno, Professora de Português do Colégio José Álvaro Vidal, “algo muito relevante, pois pode contribuir significativamente para uma motivação dos estudantes”. Mas a homenagem acaba por ir mais longe: “é também uma distinção do esforço envidado pelos alunos e pelas suas famílias, pilares estruturantes de todo o processo”.

Instituídos pelo Município, os Prémios de Mérito e Excelência atribuídos pela Câmara Municipal visam reforçar o “papel ativo da Autarquia junto dos Estabelecimentos de Ensino do Concelho” e defender “uma cultura de valorização da Excelência, edificada curricularmente, mas também na solidariedade e na participação cívica”.



VOLTAR