Num evento que teve lugar nas instalações da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, a turma do 1ºA do Colégio José Álvaro Vidal celebrou “a criatividade, a natureza e as crianças”. Os 26 alunos, acompanhados por dois Professores, participaram no “Pomarte Escolas”, uma iniciativa com “várias atividades e oficinas de música, artes performativas e plásticas”, onde todas as crianças foram convidadas “a descobrirem o lado artístico da fruta”. O evento realizou-se pelo segundo ano consecutivo e juntou perto de 600 participantes.

“Seis Patas no Pomar”, “Mão Verde” e “Uma, duas, três peras no meu cestinho!” foram as atividades que o grupo do Colégio da CEBI conseguiu completar no evento, que decorreu no dia 6 de junho. Num dos espaços do Jardim da Gulbenkian, a turma começou por “cozinhar arte no bosque” numa autêntica oficina de expressão plástica e culinária, criando e petiscando “insetos saborosos, muito coloridos e saudáveis”. Depois, seguiram para o Auditório da Fundação onde um “espetáculo infantil com música de Pedro Geraldes e lenga-lengas originais cantaroladas por Capicua” esperava por eles. O dia terminou com “uma estória com canções e baile para todos” onde se misturou “poesia com cheiro a tangerina” e “música tradicional portuguesa”.

Convite à CEBI surge depois da participação no Projeto “Pequeno Grande ©”

A participação da CEBI na segunda edição do “Pomarte Escolas” surge na sequência da participação de duas turmas da Fundação no Projeto Educativo “Pequeno Grande ©”. Durante o evento, os participantes tiveram oportunidade de conhecer as 16 obras premiadas no concurso promovido pela Gulbenkian e pela Associação para a Gestão da Cópia Privada (AGECOP).

Em janeiro deste ano, as turmas do 1ºA e do 5ºD do Colégio da CEBI produziram duas histórias originais que estiveram a concurso com outras 381 obras, provenientes de mais de 250 Escolas nacionais. “Um mundo incrível” e “O mendigo misterioso” foram as narrativas criadas – ambas com personagens e enredos pensados inteiramente em Contexto Escolar.

Sensibilizar “para a importância de explorar a imaginação e a singularidade de cada um”, incutir desde a mais tenra idade “o respeito pelo trabalho criativo como valor fundamental de cidadania” e educar para a “criação artística, bem como para a autoria de modo geral” são os principais objetivos do Projeto, cuja participação das turmas da CEBI refletiu-se “numa motivação extra, independentemente do resultado”. Quem o garante é Márcia Pombo, Professora do 1ºA, acrescentando que nota nos seus alunos “um interesse superior e especifico na construção das suas próprias histórias e narrativas”.



VOLTAR