Aprender uma segunda língua é mais necessário do que nunca. Na Fundação CEBI, Colégio José Álvaro Vidal, começa a ser feito cada vez mais cedo. Quanto mais cedo, maiores os benefícios. A melhor idade para começar são os 3-4 anos. Estudos comprovam que quando as crianças aprendem uma segunda língua em idade Pré-escolar, ao serem colocadas num contexto de resolução de problemas, conseguem não só ser mais rápidas, como também mais eficientes. Isto porque o seu cérebro é “obrigado” a estar mais ativo nos seus centros linguísticos, o que por sua vez implica que não só sejam melhores a bloquear distrações à sua volta, como o façam com menos esforço.

Todo o processo de aprendizagem de uma criança pode ser melhorado pelo facto de começar a aprender uma segunda língua desde cedo. Porém, os benefícios não se ficam pela Infância. Ser competente numa segunda língua está intimamente ligado a uma melhoria da literacia funcional, ou seja, com a capacidade de realizar várias tarefas ao mesmo tempo e até mesmo com a capacidade de aprender outras línguas já em idade adulta.

A aprendizagem de uma língua ajuda-nos a ter um conhecimento mais amplo do mundo que nos rodeia, de outras culturas e de hábitos e modos de vida diferentes. É com este enquadramento que surge a aprendizagem da Língua Inglesa.

Num contexto de Ensino Pré-escolar e de 1º ciclo é essencial criar um ambiente onde as crianças sintam a necessidade, a curiosidade e o interesse em utilizar a língua estrangeira. São temas correntes, as cores, os números, a família, os animais, as roupas, entre outros. Temas que permitem aos alunos falarem sobre as suas próprias vivências. O ensino da Língua Inglesa nos contextos supracitados visa ter uma forte componente lúdica, tendo sempre em vista a aquisição de vocabulário, de estruturas frásicas e fonéticas basilares. A gramática é, por exemplo, transmitida de forma implícita. O 2º e 3º ciclos trarão uma abordagem mais explícita da gramática.

As aulas colocam, primeiramente, o foco na audição ativa (listening) e na produção de enunciados orais (speaking), estendendo-se, numa fase posterior, à leitura (reading) e produção escrita (writing), garantindo, desta forma, que os quatro pilares de aprendizagem de uma língua (skills) estão presentes desde cedo. Aquando da introdução de uma nova temática, os alunos são expostos a itens de vocabulário, language chunks (blocos de língua), canções, rimas, chants, trava línguas, histórias, jogos e utilização de fantoches, entre outros. Como estratégia, durante a fase silenciosa, própria da aquisição de novo vocabulário e de estruturas frásicas, usa-se, ainda, com frequência atividades de TPR (Total Physical Response) e numa fase posterior o uso de role plays.



VOLTAR