Previous Page  35 / 110 Next Page
Information
Show Menu
Previous Page 35 / 110 Next Page
Page Background Relatório e Contas 2013 Fundação CEBI

35

|

Instituidores e Órgãos Sociais

|

Nota de Abertura

|

A Fundação em Números

|

Relatório de Atividades

|

Análise Económica e Financeira

|

|

Referências Finais

|

Demonstrações Financeiras | Anexo às Demonstrações Financeiras

|

Apreciação e Certificação

|

Contactos

|

Educação

|

Ação Social

|

Saúde

|

Outras Atividades

|

Balanço Social

|

Vagas do Instituto da Segurança Social, na sequência de Medida de Promoção e Proteção

aplicada pelos Tribunais de Família e Menores ou pelas Comissões de Proteção de Crian-

ças e Jovens (CPCJ).

Destaques

De salientar a percentagem de

crianças reintegradas na sua família de origem – 56%

,

relativamente às saídas de crianças com outros Projetos de Vida.

Sabendo-se que esse é o objetivo principal do DES aquando do acolhimento de uma

criança, há que sublinhar que o alcançar deste objetivo só foi possível dada a intensa e

sistemática intervenção da Equipa Técnica, mantendo uma ação multidisciplinar – sis-

temática e ecológica - junto das famílias das crianças e do seu contexto socio-familiar-

-económico, diligenciando pela sua capacitação ao nível de comportamentos, atitudes

e condições de vida. Note-se que este trabalho tem vindo, cada vez mais, a ser desen-

volvido pela Equipa Técnica do DES, considerando-se que muitas vezes substitui a inter-

venção do Estado que tem vindo a mostrar-se cada vez com menos meios para atuar

e apoiar as famílias. Ainda assim, não deixamos de impulsionar a parceria com outras

entidades (ISS,IP, CPCJ, Tribunais, Hospitais, Centros de Saúde, Escolas, etc.), já que só

deste modo é possível e realista obter sucesso na intervenção a este nível. Realçamos,

também, a cooperação com/e de outros Departamentos da Fundação, como coadjuvante

para a ação desenvolvida com as crianças.

O número de crianças cuja saída definitiva do DES correspondeu a

Projeto de Vida Adoção

diminuiu, relativamente ao ano anterior, justificando-se este facto com a possibilidade

de as crianças terem regressado às suas famílias de origem e, também, com o facto de

a Equipa de Adoções da Segurança não encontrar famílias adotivas para algumas das

crianças ainda em acolhimento no DES, mas já com sentença de confiança judicial com

vista a Adoção.

Salientamos que o facto de se ter alcançado o objetivo maior do DES – reintegração das

crianças acolhidas na sua família de origem -, não perdendo de vista o agravamento das

condições de vida das famílias no panorama de crise que o País atravessa e que amesma

potencia a sua disfuncionalidade dadas as condições de vida extremas em que muitas

vezes subsistem. Foi possível também dada a prossecução dos objetivos estabelecidos

pelo DES para o ano em análise, designadamente o trabalho de formação para os Valores

56%

crianças reintegradas na sua família

de origem